domingo, 19 de Abril de 2009

Ansiedade Generalizada


A Ansiedade Generalizada é uma perturbação de forte desgaste mental e emocional - "moer" é mesmo o termo que me ocorre como o que melhor se lhe aplica.

A ansiedade generalizada consiste numa preocupação e numa ansiedade excessivas e quase diárias (com duração superior ou igual a 6 meses) acerca de uma variedade de actividades e de acontecimentos.

Caracteriza-se por um nível de preocupação excessivo e incontrolável acerca de questões quotidianas, sendo 'preocupação' definida como um processo de raciocínio que diz respeito a acontecimentos futuros que albergam incerteza quanto ao seu resultado, acontecimentos estes que são vistos genericamente a uma luz negativa, e que são acompanhados por sentimentos de ansiedade.

A ansiedade é uma resposta ao stress, como a interrupção de uma relação importante ou o ver-se exposto a uma situação de desastre com perigo de vida.

EPIDEMIOLOGIA

As perturbações por ansiedade são a perturbação psiquiátrica mais frequente.
Cerca de 3 % a 5 % dos adultos apresentam-na em algum momento durante um ano.

As mulheres têm o dobro das probabilidades de a manifestar.
Começa, frequentemente, na infância ou na adolescência, mas pode apresentar-se em qualquer idade. Para a maior parte das pessoas, esta condição é flutuante, piorando em determinados momentos (sobretudo em épocas de stress) e persiste ao longo de muitos anos.

SINTOMATOLOGIA

  • A ansiedade e a preocupação da ansiedade generalizada são tão extremas que são difíceis de controlar. Além disso, a pessoa experimenta três ou mais dos sintomas seguintes:
  • enxaquecas
  • · inquietação,
    · cansaço fácil,
  • · irritabilidade,
    · tensão muscular ,
    · alteração do sono,
  • dificuldade em concentrar-se,
  • sensação de falta de ar,
  • dor no peito,
  • dores de cabeça,
  • preocupação exagerada com problemas quotidianos
As preocupações são bastante naturais; entre as mais frequentes encontram-se as das responsabilidades no trabalho, o dinheiro, a saúde, a segurança, as reparações do carro e os trabalhos diários.
A intensidade, a frequência ou a duração das preocupações são desproporcionadamente maiores do que as requeridas pela situação.
Evolução e Causas da Ansiedade

A ansiedade pode aparecer subitamente, como o pânico, ou gradualmente ao longo de minutos, de horas ou de dias.
A duração da ansiedade pode ser muito variável, indo de poucos segundos a vários anos. A sua intensidade pode ir de uma angústia pouco perceptível a um pânico estabelecido.
A ansiedade actua como um elemento dentro de um leque amplo de respostas de acomodação que são essenciais para a sobrevivência num mundo perigoso. Um certo grau de ansiedade proporciona uma componente adequada de precaução em situações potencialmente perigosas.
Na maior parte dos casos, o nível de ansiedade de uma pessoa sofre alterações apropriadas e imperceptíveis ao longo de um espectro de estados de consciência desde o sono até à vigília, passando pela ansiedade e pelo medo e assim sucessivamente.
Em alguns casos, no entanto, o sistema de resposta à ansiedade funciona incorrectamente e é ultrapassado pelos acontecimentos; neste caso pode manifestar-se uma perturbação por ansiedade.
Diversas teorias sustentam que a ansiedade generalizada pode estar associada a conflitos psicológicos subjacentes. Estes conflitos estão frequentemente relacionados com inseguranças e atitudes autocríticas que são autodestrutivas e ameaçadoras para o sujeito.
As pessoas reagem de forma diferente aos acontecimentos. Por exemplo, algumas pessoas gostam de falar em público enquanto outras ficam apavoradas. A capacidade de suportar a ansiedade varia segundo as pessoas e pode ser difícil determinar quando se trata de uma ansiedade anormal.
No entanto, quando a ansiedade se apresenta em momentos inadequados ou é tão intensa e duradoura que interfere com as actividades normais da pessoa, então é considerada como uma perturbação.
A ansiedade pode ser tão stressante e interferir tanto com a vida de uma pessoa que pode conduzir à depressão.
Algumas pessoas têm uma perturbação por ansiedade e, ao mesmo tempo, uma depressão. Outras desenvolvem, primeiro, uma depressão e, depois, uma perturbação por ansiedade.
Tratamento
Infelizmente os fármacos são o tratamento preferido, por médicos e pacientes, para a ansiedade generalizada.
Habitualmente prescrevem-se fármacos ansiolíticos, como as benzodiazepinas, no entanto, quero alertar para o facto de que, além de que o uso de benzodiazepinas a longo prazo pode criar dependência, os problemas que estão subjacentes e dão origem ao estado ansioso não são resolvidos, pelo que terminada a farmacologia, os níveis de ansiedade aumentam novamente.
Para muitas pessoas, e na minha prática clínica a Psicoterapia tem-se revelado muito eficaz, ajudando o paciente a compreender e a resolver conflitos psicológicos internos, com o consequente desaparecimento dos sintomas e aumento do bem estar físico e psicológico do paciente.
Com a Psicoterapia os resultados começam a aparecer muito rapidamente passadas 8-12 semanas os sintomas desaparecem, e a vida passa a ser vivida e olhada de forma mais tranquila e confiante.

Não deixe que a ansiedade tome conta da sua vida! Cuide de si! Contacte-me!

3 comentários:

  1. Bom dia, chamo-me Sílvia e sofro muito de ansiedade, pânico e enxaquecas. Isto porque ao longo da vida tive alguns problemas que não os consegui resolver interiormente, o que me deixou muito pensativa, apreensiva e com um medo terrível de morrer, perder aqueles que amo, sofrer de alguma doença, sei lá, tudo vem derepente á mente e sofro muito. Isolo-me um bocado, pois acho que ninguém entende aquilo que sinto,pois por vezes fazem comentários negativos. Gostaria de ajuda.

    ResponderEliminar
  2. CARA SÍLVIA,

    COMO MUITO BEM REFERE, OS PROBLEMAS AO LONGO DA VIDA DEIXAM MARCAS. MESMO QUE OS VAMOS ULTRAPASSANDO, POR VEZES, MUITAS VEZES, DENTRO DE NÓS AS COISAS NAO FICAM BEM RESOLVIDAS, FAZENDO COM QUE MAIS TARDE COMEÇEM A MOSTRAR OS SEUS DANOS. OS SINAIS SÃO MUITO DAQUELES QUE REFERE, ANSIEDADE, PÂNICO, MEDOS, ETC. A PSICOTERAPIA É A ÚNICA FORMA DE RESOLVER ESTAS QUESTÕES, PELO QUE A ACONSELHO VIVAMENTE A PROCURAR AJUDA ESPECIALIZADA DE UM PSICOLOGO OU PSICOTERAPEUTA. SE PRECISAR CONTE COMIGO!
    CUMPRIMENTOS
    M. JESUS CANDEIAS

    ResponderEliminar
  3. Olá Boa noite. Meu nome é Elisabete e desde 2001, após uma simples cirurgia, tive o meu 1º ataque de pânico. A partir daí... enfim, uma montanha de idas a médicos, psiquiatras... Desde esse ano comecei a ser tratada com zoloft 50 mg e unilan 0,5gr. Só em 2012 consegui deixar o unilan e em Fevereiro deste ano (2013), o zoloft. Foi um pouco difícil, mas a vontade era enorme de não estar dependente de drogas. O certo é que desde Março, Abril deste ano, as crises de ansiedade têm-me afectado juntamente com pensamentos depressivos, no qual obriga-me a desistir de tarefas tão simples como uma ida à praia com a minha irmã, optando por tomar 1/4 de unilan para reestabelecer os meus níveis de ansiedade normais. No final do ano passado casei-me e graças a Deus, não precisei de tomar nenhum SOS (unilan). Entretanto situações familiares, pessoais e desemprego, têm-me vindo a colocar-me numa situação que fico até com medo de passar dias sózinha em casa. a minha psiquiatra aconsselhou-me a procurar ajuda psicoterapeuta, e nesta fase, reconheço que necessito urgentemente de falar com alguém que tenha este distúrbio de ansiedade, talvez terapias de grupo, sei lá. Como vivo na Maia, será que é possível ajudar-me neste assunto? Muito obrigada.
    Elisabete

    ResponderEliminar